Cabelo também sente


Lembrei de duas coisas vendo esses penteados africanos do post abaixo.

Uma, do meu baú de lembranças de Angola; outra, do noticiário do The New York Times na semana passada.

A de Angola é engraçada.

No caminho de Talatona para a Maianga, via sempre, não lembro bem em que trecho da viagem, uma barbearia com um nome curioso: Entra feito e sai bonito.

Ria toda vez que passava por ali.

Do NYT, foi a história do menininho que pediu para pegar no cabelo de Obama para ver se era igual ao dele.

Isso foi há três anos, mas  a delicadeza é a marca deste episódio captada pela lente do fotógrafo da Casa Branca, Pete Souza.

Está na parede da casa oficial do presidente americano.

A imagem diz tudo – copiei abaixo do jornal americano e acho que eles não vão se importar.

Vejam o link da notícia em inglês:

When a Boy Found a Familiar Feel in a Pat of the Head of State.

Foto de Obama abaixando para que o menino toque sua cabeça está pendurada na Casa Branca (Foto: The New York Times/Pete Souza/Casa Branca)

Jacob: “Eu quero saber se meu cabelo é igual ao seu”

Obama: “Por que não toca e vê você mesmo?”

—-

Obama: “Toca aí, rapaz!.

Obama: “O que você acha?”

Jacob: “Sim, é igual”.

——–

“It’s important for black children to see a black man as president. You can believe that any position is possible to achieve if you see a black person in it”

(Mr. Philadelfia, pai do garotinho Jacob)

Anúncios

Comentários desativados em Cabelo também sente

Arquivado em Atualidade

Os comentários estão desativados.