Kalunga, comunidade quilombola no Brasil


Não foi moleza sobreviver como descendente de escravo no Brasil.

Além da concorrência desleal no mercado de trabalho com os imigrantes europeus, que após a abolição da escravatura tinham todo o apoio do governo brasileiro, os afrodescendentes que se refugiavam nos quilombos tiveram que conviver com todo tipo de discriminação.

No final do século XX, no entanto, as comunidades quilombolas passaram a ter o reconhecimento legal da posse das terras que ocuparam desde a época da escravidão.

Confira, a seguir, trecho de documentário da comunidade Kalunga, de Cavalcante, em Goias, que festeja todos os anos a sua cultura nos meses de agosto e setembro. Vale a pena conhecer e ajudar a preservar a cultura africana no Brasil. Repare, no vídeo, as semelhanças com a África de agora, nos rostos cansados, na música, na dança e na estrutura das casas de telhadinhos de palha, semelhante aos kimbos de Angola:

Cliquem aqui e leiam matéria sobre as festas que eles fazem ao longo do ano

Anúncios

1 comentário

Arquivado em Atualidade, Cultura

Uma resposta para “Kalunga, comunidade quilombola no Brasil

  1. gosto muito do trabalho kalunga se hoje fosse como antes tudo seria diferente