Retratos da guerra: degolados


Que estas cenas horrendas jamais se repitam em Angola, há sete anos em paz:

 

Bailundos degolados na guerra | Foto: Horácio Caio

Cabeças espetadas | Foto: Manuel Graça

Anúncios

3 Comentários

Arquivado em História

3 Respostas para “Retratos da guerra: degolados

  1. Marcia Gomes

    (Meu teclado nao estah acentuando) A pedidos, venho prestigiar vosso nobilissimo blog n`golano. Como nao poderia deixar de ser, mui bem editado, mas fico triste com essas imagens de violencia. Cabecas degoladas eh pra lah de barbaro. Infelizmente, a raca humana precisa desses estagios para evoluir nos degraus da evolucao. Lamentavel. Que sirva de exemplo para as geracoes futuras e que elas nao repitam este erro. Na verdade, sou mais a tarrrrrrrachinha!!!! Bjs

    • Hilcelia Falcão

      Hesitei muito antes de postar essas imagens. Mas acabei me rendendo ao fato de acreditar que ao publicizá-las estarei contribuindo para que o mundo entenda o quão importante é ajudarmos a construir a paz em África. Inocentes morreram de modo bárbaro ao longo de décadas de guerras em Angola. Cabe a nós, que guardamos parte da herança africana, ajudar a impedir que cenas como estas jamais se repitam. E viva a tarrachinha, o semba, a cultura e a alegria de ser africano!

  2. Caio

    Eu conheço estas fotografias…….
    Norte de Angola, 1961, membros da UPA(mais tarde FNLA), liderados pelo criminoso de guerra Holden Roberto e treinados no Zaire pelos russos e chineses, iniciaram o terrorismo de guerra e o genocídio de étnias rivais negras.
    Matar,matar,matar,violar, esventrar.Os golpes de catana serviram para espalhar o terror e expulsar os brancos de Angola.Quando os soldados portugueses chegaram para proteger o Norte e o Nordeste foram recebidos por cadáveres e cabeças de bailundos(étnia) espetadas em paus.Com o passar do tempo o massacre de civis tornou-se hábito, o negro era o inimigo, não importava a étnia e as tropas cometeram as mesmas atrocidades.
    Estas histórias são contadas por ex.-combatentes que sofrem de stress de guerra.